A importância do ponto de venda

A cada dia que passa a concorrência e a busca pela atenção dos consumidores aumenta, por isso, o cliente precisa usar ao máximo de “sentidos”, vivenciar o PDV: tocar, sentir, provar, ouvir, argumentar etc. O PDV proporciona melhor visibilidade aos produtos, marcas ou serviços, com o propósito de influenciar as decisões de compra. Não adianta você sair por ai, fazendo todos os bazares do universo, atras de clientes.
O cliente quer conforto, quer saber onde e quando lhe encontrar.
O índice demonstra a influência da comunicação no ponto de venda agindo como fator decisivo para o consumo. Trata-se de um novo cenário, no qual os produtos e marcas precisam estar em evidência para o consumidor no momento de compra, pois os consumidores hoje estão cada vez mais informados, exigentes e ponderados em relação ao tempo que dispõem para a compra e ao que vão comprar; entretanto, se a proposta que for oferecida for sedutora a ponto de capturá-los e estimulá-los, o consumo ocorrerá espontaneamente.
Comprar em ambiente prazeroso onde a stand é bem iluminado, os produtos bem arrumados e limpos e com ações de degustação e troca de brindes faz com que o consumidor passe a frequentar com assiduidade o estabelecimento e a consumir determinada marca.
O ponto de venda, seja uma grande loja ou um simples e pequeno espaço dentro de um bazar, é o principal ponto de contato da marca com o consumidor, além de colocar em prática todos os esforços e campanhas de marketing. Assume uma grande importância; é o local onde esses laços são estreitos, conquistando novos clientes e fidelizando os já existentes. Então, comece agora mesmo a pensar sobre seu negócio, se está fazendo as coisas certas, analise sua comunicação visual e o ambiente criado para seu stand no Bazar onde você expõe seu produto.
Nem todo Bazar e legal, nem todo publico e o seu, faça um planejamento antes de sair por ai, associando sua marca a qualquer evento. Em tempos de crise, a saída e trabalhar a clientela no seu ponto de vendas, girando maior circulação e consumo. Pense nisso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *